Livros: Todos os Nomes

Para quem gosta de reflectir, este é um bom livro.

Autor: José Saramago

Sinopse: O protagonista é um homem de meia idade, funcionário inferior do Arquivo do Registo Civil. Este funcionário cultiva a pequena mania de coleccionar notícias de jornais e revistas sobre gente célebre. Um dia reconhece a falta, nas suas colecções, de informações exactas sobre o nascimento (data, naturalidade, nome dos pais, etc.) dessas pessoas. Dedica-se portanto a copiar os respectivos dados das fichas que se encontram no arquivo. Casualmente, a ficha de uma pessoa comum (uma mulher) mistura-se com outras que estás copiando. O súbito contraste entre o que é conhecido e o que é desconhecido faz surgir nele a necessidade de conhecer a vida dessa mulher. Começa assim uma busca, a procura do outro.

Mesmo deixando de parte as particularidades da escrita de Saramago, este livro não é fácil de ler. O autor tem o dom de nos deixar a pensar enquanto conduz a história com mestria e, sem repararmos estamos colados às páginas.
Como sempre a história começa de um modo inofensivo, um homem de meia idade que colecciona notícias sobre gente célebre até ao dia em que decide invadir o Registo Civil, onde é funcionário, para recolher informações exactas sobre essas pessoas. É nesse roubo que encontra o registo de uma mulher, a qual se torna a sua obsessão.
Já me habituei à maneira como Saramago escreve, tanto às suas longas frases, como aos diálogos em narração e até às digressões e listas exaustivas que ele tanto gosta. A personagem inspira a nossa simpatia e o mistério que se gera em trono da mulher desconhecida é um bom meio de manter o interesse. O tema não é tão relevante como outros livros. Por isso, se o compararmos a outras obras do mesmo autor poderemos ficar desapontados. Foi isso que me aconteceu
Em todo o caso, recomendo a todos os que gostem de Saramago ou de pensar sobre quem na verdade somos.

Classificação: 4 estrelas

Leia também

1 comentário

Deixar uma resposta