Livros: Eu Sou Deus

Para variar, vou fazer uma review de um autor da moda. Devo confessar que este livro me ensinou o prazer de lavar a loiça.

Autor: Pedro Chagas Freitas
Texto da contra-capa: Desconcertante, Pedro Chagas Freitas ensina-o, no seu estilo irreverente e único, a olhar para o mundo de um ângulo completamente diferente. Um ângulo que elimina, sem misericórdia, conceitos e percepções que você julgava intocáveis.
EU SOU DEUS não é sobre fazer as coisas direitas – mas sim sobre ir ao encontro do seu direito. O direito a respirar, o direito a pensar, o direito a ser. O direito a viver.
EU SOU DEUS não é sobre aquilo que você não pode fazer – mas sim sobre aquilo que você pode, e deve, fazer. Você pode sentir medo, pode sentir inveja. Você pode sentir aquilo que o mundo insiste em dizer-lhe para não sentir. Você pode ser o mundo. Por isso: porque não mudar o mundo?
EU SOU DEUS não é um livro de auto-ajuda. Mas se você o ler pode auto-ajudar-se. Tenha cuidado.
A minha crítica resume-se a isto: este livro não é literatura. Por outro lado, é uma obra de auto-ajuda muito criativa e que irá satisfazer muitos leitores. Infelizmente, não me convenceu. É bem verdade que o autor tem razão em muitas coisas que diz, só é a pena a forma como as diz, a qual as banaliza e lhes tira todo o impacto. Usa e abusa de trocadilhos ao ponto de aborrecer o leitor. Para mais, acho que a pontuação é atroz, devido aos excessos cometidos (fiquei um bocado escandalizado ao saber que este senhor ensina como usar pontuação nos seus cursos de escrita criativa). Além disso, tem um mau uso de clichés e um hábito horroroso de repetir palavras. Parece por vezes que a própria temática se repete também, sendo possível passar a mesma mensagem, com muito menos palha, em cerca de 50 páginas. Em suma, foi um tormento terminar o livro, devido ao tom, estilo e forma.

Recomendo a quem procurar um livro de auto-ajuda e não quiser encontrar vestígios de literatura.

Classificação: 1 estrela

Leia também

Deixar uma resposta