Chá de Domingo #77: Balanço do Camp Nanowrimo de Abril de 2016

O balanço de mais um desafio literário.

 

Queria começar por agradecer à minha talentosa esposa por criar a nova faixa do Chá de Domingo. Podem encontrar o fantástico trabalho dela aqui.

Como devem ter reparado, durante o mês de Abril dediquei-me ao Camp Nanowrimo, onde me propus escrever duas novelas. Quando comecei o desafio, mudei os planos e decidi antes terminar O Jarro de Porcelana. Assim que meti mãos à obra, descobri que não me lembrava da maior parte dos detalhes importantes da história. Até ao quinto dia, em que escrevi muito menos que a meta diária, correu tudo mais ou menos bem, sem grandes atrasos. No sexto e sétimo dias voltei a conseguir um bom ritmo. No oitavo deparei-me com um bloqueio, fruto de não ter planeado a história. Nos dois dias seguintes dediquei-me a alinhavar os restantes capítulos para não voltar a ter o mesmo problema.

No décimo primeiro dia começou o longo período de baixa produtividade.  A semana toda desenrolou-se do mesmo modo. Felizmente, com o fim-de-semana, voltei à carga e consegui dar um valente avanço. No décimo sétimo dia, voltei a ter problemas por não conseguir concretizar o que estava planeado. Só no décimo nono dia é que consegui finalmente livrar-me do capítulo problemático. Foi nesse dia que decidi não desistir, apesar do atraso gigantesco, e que iria tentar terminar o Camp Nanowrimo. No vigésimo dia, atingi o ponto sem retorno da história.

Quando cheguei ao vigésimo primeiro dia, decidi mudar alguns detalhes da história, acabando por entrar em contradição com o que tinha escrito antes. No dia seguinte, a minha produtividade voltou a descer, apesar de eu saber que precisava de aumentar para conseguir vencer o desafio. No Sábado, dia 23, escrevi muito pouco e no Domingo não escrevi nada.  Olhando para trás, percebo que esses dois dias acabaram por ser o golpe final. Contudo, não desisti e continuei a escrever. Durante os dois dias seguinte, escrevi muito abaixo da meta pretendida. O vigésimo sétimo dia correu melhor, voltando a conseguir escrever acima da média, só para no dia seguinte ficar de novo aquém. O vigésimo nono dia foi o melhor em termos de prestação. No último dia, escrevi um total próximo da meta inicial.

A prestação não foi suficiente para conseguir o crachá de vencedor. Se por um lado, poderia achar que isso se deveu a um objectivo demasiado alto, eu creio que se deveu mais aos dias em que não escrevi. Por outro lado, o facto de não ter organizado previamente a história fez com que perdesse dois dias de fim-de-semana a planear ao invés de escrever. Se quiserem mais detalhes, podem ler o diário completo do desafio aqui. Acabei por conseguir escrever 30 capítulos completos, ou seja, em média um por cada dia. A história avançou bastante e bastam alguns dias para a conseguir terminar. Deste modo, creio que foi um desafio, que apesar de não ter sido completo, acabou por ser bem-sucedido e muito positivo.

Leia também

Deixar uma resposta