Chá de Domingo #42: A Estrutura em Sete Momentos

Nas últimas semanas apresentei a Jornada do Herói nestes artigos: Resumo, Primeiro Acto, Segundo Acto e Terceiro Acto. Uma forma alternativa de construir a história é organizar a trama em quatro actos. De forma complementar aos quatro actos, pode-se organizar a história em sete momentos-chave.
A estrutura em sete momentos-chave é uma das mais usadas pelos escritores de hoje em dia. É fácil de implementar em qualquer história e serve como guia à trama. Os momentos chave são os seguintes:

1 – Incidente Inicial
Todas as histórias devem começar com um incidente inicial. Algo que destabiliza o mundo da personagem principal e que a fazem percorrer o caminho delineado pelo escritor. Este incidente inicial pode ser qualquer coisa, desde um encontro casual até a uma morte violenta. Este incidente deve acontecer nas primeiras linhas, sugere-se mesmo que não se entre no quarto parágrafo sem que se dê. O início de um livro tem muito que se lhe diga, receio que terá de ficar para outro artigo.

Mais uma vez, usando o Matrix como exemplo, o incidente inicial acontece quando Neo é instruído a seguir o Coelho Branco.

2 – A Aceitação do Problema
Para a história se desenvolver, a personagem principal tem de aceitar o problema. Há várias razões para não o fazer, viste isto que vai meter de pernas para o ar toda a sua vida. Contudo, o problema inicial cresceu que nem uma bola de neve, agravando-se a cada momento em que a personagem principal o ignora, até chegar ao ponto em que não é possível simplesmente voltar-lhe as costas.

No Matrix, corresponde ao momento em que Neo é torturado pelo agente Smith.

3 – Reviravolta
Este momento marca, sensivelmente, o meio da história. Algo de bom deve acontecer, que dará um certo alívio às personagens, mas ao mesmo tempo terá consequências nefastas que não são previsíveis. É importante mudar as condições sem quebrar o ritmo.

No Matrix, corresponde ao momento em que Cypher aceita colaborar com os agentes.

4 –  Ponto sem Retorno
O Ponto sem Retorno é o momento em que o conflito final não pode ser evitado. Até este momento, há a hipótese do protagonista ou do antagonista recuar e não aceitar o conflito final, mas a partir deste momento o que está em jogo é de tal modo valioso que não é possível ignorar o desafio.

No Matrix, é o momento em que o Morpheus é capturado.

5 – Momento de Desespero
Haverá um momento no conflito final em que parece que tudo está perdido. O leitor irá temer pela sua personagem, temendo que a derrota/falhanço estejam próximos. O vilão parece demasiado forte e o herói parece duvidar de si mesmo.

No Matrix, corresponde ao momento em que Neo é atingido mortalmente pelo Agente Smith.

6 – Clímax
É o grande momento do livro, em que tudo se ganha ou se perde. Os interesses mutuamente exclusivos do protagonista e do antagonista estão a colidir. Não deve ser óbvio quem vencerá até ao final do conflito final.

No Matrix, é quando Neu enfrenta e vence os Agentes.

7- Regresso ao Normal
Depois de resolvido o conflito final, chegou a hora da personagem principal voltar ao seu mundo normal com aquilo que aprendeu. Poderá haver uma recusa do herói em regressar porque, entretanto, se habituou à nova vida. Contudo, esse regresso terá de acontecer para que o ciclo se feche.

No Matrix, corresponde ao momento em que Neo declara a vitória sobre as máquinas no telefonema final.

A imagem e a informação foram retiradas da Nanozine 7 – Especial Nanowrimo.

Leia também

Deixar uma resposta