Chá de Domingo #16: Vanities e Crowdfunding

Uma bronca destas tinha de estalar, era só uma questão de tempo!

Antes que me crucifiquem por opiniões que nem sequer tenho, gostaria de deixar aqui bem claro que não tenho nada contra o crowdfunding feito por artistas que gostariam de divulgar o seu trabalho e não tem dinheiro para o fazer.
E já agora, aproveito para dizer que não tenho nada contra vanities. É um negócio rentável e só cai nos esquemas quem quer. Um bocadinho de pesquisa é quanto chega para se perceber a seriedade dessas empresas prestadoras de serviços.
Não há nada de mal num autor que investe o seu dinheiro numa edição de autor de um livro que foi ignorado pelas editoras tradicionais. Não é uma decisão muito sensata, se ao invés da edição de autor, decidir dar o dinheiro a uma vanitie. Não é sensato, mas não é de todo errado, pois só aceita os termos do contrato se quiser. Não é mau se o autor pedir dinheiro para uma edição de autor através de crowdfuding. Só não acho muito correcto que faça crowdfounding e depois vá dar o dinheiro a uma editora. Porque é que não acho correcto? Porque quem estiver a ajudar na campanha, estará a ajudar mais a empresa prestadora de serviços do que o autor. É verdade, a editora prestadora de serviços irá ficar com a fatia mais gorda dos lucros, quer o livro venda ou não venda.
Agora o que eu não tolero é uma editora, que se tenta fazer passar por séria, recorrer a este método. Ai tal que o crowdfunding é fixe! É fixe, mas é para ser usado com um mínimo de ética. Acho inaceitável uma editora fazer um concurso em que o prémio é a publicação, mas só se arranjarem 90% dos fundos através de crowdfunding. Melhor ainda, os autores é que estarão responsáveis pela divulgação do projecto. Estão a ver onde isto irá parar?
Parece-me que haverá umas 30 almas penadas que irão andar a angariar fundos para essa tal editora séria. A primeira metade do dinheiro irá parar-lhes aos bolsos quando receberem o dinheiro do crowdfunding. E a outra metade irá se conseguirem vender os livros. Dizem eles que financiam 10%. Mas 10% do quê? Afinal são eles que decidem o custo total. Portanto é todo ganho. Um ganho imoral, fazendo-se valer do esforço e do investimento de terceiros. Para mim, isto não é uma editora séria em lado nenhum!

Uma pequena adenda: eles assumem-se mesmo como uma crowdpublisher!

Leia também

3 comentários

  1. Acho que não adianta dar nomes, a carapuça serve a todas as “editoras” que usarem este esquema. Mais do que condenar o comportamento da “editora”, quero mostrar-me contra este tipo de esquemas.

  2. Isso parece-me mais um esquivares-te à pergunta que outra coisa. Atacaste uma em particular e directamente, pelo que convinha saber-se um nome. De outra forma é uma atitude tão louvável, para mim pelo menos, quanto crianças no recreio que andam a falar mal umas das outras.

Leave a Reply