A Passagem Uivante – Parte 2/2

A primeira parte está disponível em: http://pedro-cipriano.blogspot.de/2013/11/a-passagem-uivante-parte-12.html Fernando questionava-se como é que o pequeno estado podia ter aspirações tão megalómanas. Mantinham quase um décimo da população em serviço militar efectivo. Cerca de meio milhão de homens combatiam em duas frentes contra os dois estados vizinhos. Para quê, era a questão que poucos se atreviam a fazer em voz alta. E quando alguém ignorava essa regra informal, a policia do exército encarregava-se de resolver celeremente o caso. – Imobilizar veículo! – ordenou o comandante. – Artilharia fixa, 2300 metros às 11 horas. Fernando travou a fundo, parando o tanque em poucos metros. […]

Continue Reading

A Passagem Uivante – Parte 1/2

Este texto foi publicado no primeiro número da Revista Lusitânia. Fernando apreciava o pôr-do-sol contra o horizonte escarpado. O vento assobiava pelas encostas e a Este o fumo subia. O jovem Cabo tentou ignorar os motores dos aviões que rugiam sobre a sua cabeça. A guerra rodeava-o a cada momento e a cada instante ele tentava esquecê-la. Alguns soldados acendiam fogueiras no meio do acampamento. Sabiam que a paz naquele regimento blindado era algo temporário, mesmo assim estavam determinados a preparar o seu jantar como se de mais um dia vulgar se tratasse. Depois de seis anos de guerra contínua, […]

Continue Reading

A Primavera – Parte 2/2

Este conto faz parte da antologia Legado de Eros: Podem encontrar a primeira parte em: http://pedro-cipriano.blogspot.de/2013/11/a-primavera-parte-12.html As sirenes ouviram-se a meio do jantar. Num momento de hesitação, mãe e filha fitaram-se. Ana levou a taça à boca e sorveu o resto da sopa sem respirar. Levantou-se num pulo e foi ao quarto buscar um cobertor, encontrando a mãe à porta com uma vela e fósforos. A progenitora trancou a porta, havia sempre quem se aproveitasse da confusão para se apoderar do alheio. Desceram as escadas, saindo pelas traseiras do prédio. Apressaram-se a galgar os degraus que conduziam ao abrigo. A construção […]

Continue Reading

Anjos da Morte

Bruno sabia que o inimigo ia chegar a qualquer momento. Alinhou o avião com a pista e levou o motor ao máximo de rotação. O caça ganhou velocidade, percorrendo a faixa delimitada pela dupla fileira de luzes. Ia a meio da pista quando o aparelho de João levantou voo. Esperou uns segundos e puxou os controlos, consciente que outro avião o seguia. A aeronave deixou o solo, seguindo a de João. Rangeu os dentes e apertou os comandos com força para não tremer. Era a sua primeira missão e a cidade estava sobre ataque. Faltavam uns minutos para o ano […]

Continue Reading

A Primavera – Parte 1/2

Este conto faz parte da antologia Legado de Eros: As tímidas flores roxas foram as primeiras a despontar naquele ano. Floresciam solitárias naquela margem do Mondego, uma ilha de vida no meio da terra vazia, arautos da primavera. Inúmeras covas artificiais espalhavam-se em volta. Milhares de fragmentos de metal misturavam-se no húmus e na rocha pulverizada. As flores eram o único ser vivo que aparentava não se aperceber da desolação que as rodeava. Miguel ouviu a agitação propagar-se pelas trincheiras. Não era preciso muito para se gerar uma comoção por ali, tudo o que quebrasse a monotonia de estar aninhado […]

Continue Reading

Críticas à Compilação de Contos da Era Dourada

No passado dia 12 de Setembro, publiquei o meu primeiro ebook, via Smashwords. As primeiras críticas já chegaram e aproveito para destacar algumas: “Achei fantástica esta compilação de contos.”  – Ana Faria “Gostei da forma simples da escrita, simples e agradável.” – do blogue Folhas do Mundo ” (…) um enredo que nos cativa, adorei o conto O Monstro e a Musa, que tem várias surpresas e um final muito bem conseguido, (…) temos muitas questões que nos levam a reflectir.” – do blogue Leituras do Fiacha “Nunca tinha lido nada sobre este jovem escritor, nem tinha a mínima noção […]

Continue Reading